Cuidado Colaborativo: Habilidades Maudsey

prof

CUIDADO COLABORATIVO: HABILIDADES MAUDSLEY 

Esta é a segunda parte do texto baseado no artigo "Collaborative Care: The New Maudsley Model", publicado em 2015 no Eating Disorders: The Journal of Treatment & Prevention


HABILIDADES DE COMUNICAÇÃO

A base é construída sobre habilidades de entrevista motivacional. Eles são usados pelos facilitadores do workshop para encorajar os cuidadores a mudar seus próprios comportamentos. Esta é uma surpresa para alguns cuidadores que pedem ajuda para mudar o comportamento de seus filhos. Os estágios de mudança dentro do modelo transteórico são trazidos à vida quando os cuidadores reconhecem que são ambivalentes ou em pré-contemplação quanto à mudança de seus próprios comportamentos. Dramatizações e observações de interações ao vivo ou gravadas formam o aspecto central deste treinamento. Os cuidadores são solicitados a criticar e analisar os processos durante as interações observadas, antes de praticarem a dramatização.

HABILIDADES DE REGULAÇÃO EMOCIONAL

Os transtornos alimentares provocam uma mistura de reações emocionais intensas. São usadas metáforas de animais para descrever as reações mais comuns, incluindo super emocional (água-viva), esquiva (avestruz), crítica (terrier), hostil (rinoceronte) e super protetora, esquiva (canguru). Os participantes são encorajados a usar essas metáforas para se afastarem dessas reações e comportamentos emocionais fervorosos. O objetivo é que os cuidadores concordem com um meio-termo em termos de uma abordagem colaborativa e consistente para lidar com os sintomas. A metáfora de um “Golfinho” ou “São Bernardo” (cachorro) está acostumada a descrever o estilo “C” ideal de “Cuidado Colaborativo”. Os cuidadores podem precisar ter conversas sobre estilos e metas de mudança de comportamento conjunta, como planejamento de apoio à refeição, redução de acomodação e habilitação de comportamentos e gerenciamento de comportamentos super controlados ou subcontratados.

CONCLUSÃO

O envolvimento da família e o trabalho individual precisam ser criteriosamente combinados com a gravidade e o estágio da doença. Fornecemos um resumo da abordagem do New Maudsley Collaborative Care, que pode ser usada em todos os estágios da doença. Em essência, isso envolve melhorar a resiliência dos cuidadores e as habilidades de mudança de comportamento por meio do compartilhamento de informações, ensino de técnicas de comunicação e trabalho em equipe.

Revisão técnica: Fellipe Augusto de Lima Souza – CRP: 06/138263

Referência: Treasure, J., Rhind, C., Macdonald, P., & Todd, G. (2015). Cuidado colaborativo: o novo modelo maudsley. Transtornos alimentares , 23 (4), 366-376.



Card image cap
Transtornos Alimentares e Diabetes

Este texto foi baseado no artigo Eating Disorders and Diabets, publicado em 2020 na Current Diabets Reports


Card image cap
Qual a Utilidade Clínica da Dependência Alimentar?

Este texto foi baseado no artigo The Clinical Utility of Food Addiction: Characteristics and Psychosocial Impairments in a Treatment-Seeking Sample, publicado em 2020 na Revista Nutrients

Card image cap
Intervenções Baseadas em Casais para Adultos com Transtornos Alimentares

Este texto foi baseado no artigo "Couple-Based Interventions for Adults with Eating Disorders", publicado em 2015 no The Journal of Treatment & Prevention