Compulsão Alimentar e Consumo de Álcool: Uma Revisão Integrativa

prof

COMPULSÃO ALIMENTAR E CONSUMO DE ÁLCOOL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Este texto foi baseado no artigo "Binge eating and alcohol consumption: an integrative review", publicado em 2020 na revista Springer


    Os transtornos alimentares (TA) são definidos como condições psiquiátricas que causam mudanças na dieta e/ou no comportamento alimentar. e podem afetar o consumo ou absorção dos alimentos. Sua etiologia é multifatorial e são mais prevalentes em mulheres e caracterizadas pela preocupação excessiva com o corpo e o peso, comprometendo a saúde física e o desenvolvimento biopsicossocial do indivíduo.

    Entre os TAS, a bulimia nervosa (BN) e o Transtorno de Compulsão Alimentar Periódico (TCAP) apresentam características semelhantes em termos de episódios recorrentes de alta ingestão alimentar em um curto período de tempo associados à sensação de perda de controle e culpa. A principal diferença é que na BN existem comportamentos compensatórios para o controle do peso corporal, como vômitos auto induzidos, uso de laxantes, diuréticos, dietas restritivas e exercícios físicos excessivos.


    Estes transtornos podem também estar associados a vários problemas de saúde, como: depressão, ansiedade, estresse pós-traumático, transtornos de personalidade e abuso de substâncias psicoativas, especialmente o álcool. A busca por regular as emoções negativas e a tendência a agir impulsivamente são comportamentos que influenciam a ocorrência de compulsão alimentar e consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

    Estudos demonstram lacunas na relação entre padrões de consumo de álcool e TA, bem como pouca compreensão das possíveis causas e consequências. Esta evidência motivou novos estudos para explicar a relação de causa e efeito entre os transtornos alimentares e a ingestão de bebidas alcoólicas, e acrescentou fatores ambientais, biológicos, de personalidade e outros fatores comportamentais como variáveis

    A ocorrência simultânea de TA e consumo de álcool ainda é pouco elucidada na literatura, principalmente no Brasil. Pessoas com TA geralmente não relatam esse hábito durante as avaliações clínicas, ou sua relação com os hábitos de vida, mesmo quando questionados. Com o propósito de contribuir para a melhoria da assistência ao paciente, este estudo teve como objetivo identificar a relação entre a compulsão alimentar e o consumo de álcool.

METODOLOGIA

    Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, onde buscamos identificar, analisar e sintetizar os resultados de estudos primários que forneceram evidências sobre os fatores associados à compulsão alimentar na BN e TCAP e ao consumo de álcool.

    A revisão integrativa apresenta uma abordagem metodológica ampla de revisões, permitindo a inclusão de estudos com delineamentos distintos de forma a proporcionar uma compreensão aprofundada do tema estudado.

    Para formular a questão norteadora do estudo, a estratégia PICO foi aplicada, em que P (população): mulheres com transtorno da compulsão alimentar periódica que consomem bebidas alcoólicas; I (intervenção): fatores associados ao consumo de álcool em mulheres com transtorno da compulsão alimentar periódica; C (controle): não se aplica a revisões integrativas; O (desfecho): as principais evidências encontradas na literatura. A partir desse procedimento, estabeleceu-se o seguinte questionamento: quais são os fatores associados à compulsão alimentar e ao consumo de álcool evidenciados na literatura?

RESULTADOS

Os resultados do presente estudo indicaram que existe uma relação entre a compulsão alimentar e o uso de álcool, que não é influenciado por uma única variável. A investigação mostrou que as características sócio demográficas, nutricionais, genéticas, ambientais e emocionais das amostras analisadas mostraram-se relevantes neste fenômeno. No entanto, existem poucas publicações sobre o tema abordado, sendo necessárias novas pesquisas. Esses achados podem subsidiar ações e estratégias terapêuticas para a identificação de casos, adotando abordagens e tratamentos mais eficazes para atender as demandas biopsicossociais dos indivíduos.

Revisão técnica: Fellipe Augusto de Lima Souza – CRP: 06/138263

Referência: Azevedo, L. D. S., de Souza, A. P. L., Ferreira, I. M. S., Lima, D. W. D. C., & Pessa, R. P. (2021). Binge eating and alcohol consumption: an integrative review. Eating and Weight Disorders-Studies on Anorexia, Bulimia and Obesity, 26, 759-769.

Card image cap
  • Dra. Evelyn Tribole
  • Quarta 12 de Janeiro a 23 de Fevereiro das 20h às 21h (horário de Brasília)
  • 6 aulas com tradução para o Português
  • Vagas Limitadas

O que é o Comer Intuitivo? É uma abordagem de intervenção no comportamento alimentar focado na melhora da relação com alimentação, corpo e mente.

Através do treinamento baseado em evidência serão aprofundados durante seis encontros os métodos e conceito do Comer Intuitivo, que busca reconstruir a relação dos pacientes com a comida partindo de dez princípios básicos.

O curso será ministrado por Evelyn Tribole - coautora do best-seller "Intuitive Eating, a Mind-body Self-care Eating Framework with 10 Principles" e uma premiada nutricionista. A partir de seu manual tiveram origem mais de 125 estudos que evidenciam seus benefícios.

Ela já certificou mais de 1.100 profissionais em 23 países e graças a sua parceria com o CEBRATA, agora será a vez dos brasileiros!

Esse treinamento busca ensinar aos profissionais técnicas de aconselhamento baseadas na alimentação intuitiva.


Card image cap
Transtornos Alimentares e Diabetes

Este texto foi baseado no artigo Eating Disorders and Diabets, publicado em 2020 na Current Diabets Reports


Card image cap
Qual a Utilidade Clínica da Dependência Alimentar?

Este texto foi baseado no artigo The Clinical Utility of Food Addiction: Characteristics and Psychosocial Impairments in a Treatment-Seeking Sample, publicado em 2020 na Revista Nutrients

Card image cap
Intervenções Baseadas em Casais para Adultos com Transtornos Alimentares

Este texto foi baseado no artigo "Couple-Based Interventions for Adults with Eating Disorders", publicado em 2015 no The Journal of Treatment & Prevention