Entendendo o tratamento baseado em família (FBT) via Telessaúde (Parte 1)

prof

ENTENDENDO O TRATAMENTO BASEADO EM FAMÍLIA (FBT) VIA TELESSAÚDE

(Parte 1)

Este texto será dividido em 2 parte e foi baseado no artigo Family-based treatment via videoconference: Clinical recommendations for treatment providers during COVID-19 and beyond, publicado em 2020 no International Journal of Eating Disorders

    A necessidade de adotar métodos “à distância” para continuidade de tratamentos de transtornos alimentares (TAs) em razão da pandemia do coronavírus (COVID-19) representa uma temática urgente, porém os tratamentos via telessaúde para crianças e adolescentes com TAs não foram adequadamente testados de forma rigorosa em estudos acadêmicas. Com base em experiências clínicas e programas de pesquisa, o objetivo deste texto é destacar os desafios comuns que os profissionais da saúde podem encontrar ao fornecer tratamento baseado em família (FBT) via telessaúde para crianças e adolescentes com anorexia nervosa (AN) e bulimia nervosa (BN). Além de discutir possíveis soluções e considerações práticas para os profissionais da área que fornecem a FBT.

    Embora os desafios comuns e soluções potenciais sejam apresentadas abaixo, este texto não pretende ser uma lista totalmente abrangente, nem deve ser interpretado como um manual prescritivo. Ao entregar um tratamento de telessaúde de (FBT), os clínicos devem se esforçar para serem flexíveis e se adaptarem às necessidades e situações particulares de cada paciente e família, reconhecendo que estas podem evoluir ao longo do tempo.

ENTENDENDO O TRATAMENTO BASEADO EM FAMILIA (FBT)

    A FBT ou modelo Maudsley é um protocolo de psicoterapia familiar que consiste em 3 fases de tratamento. Na primeira fase, os pais assumem o controle total sobre a alimentação e rotina da criança e/ou adolescente. Na segunda fase começa o retorno gradual da alimentação e autonomia do adolescente, e na terceira fase é estabelecida uma independência saudável entre o jovem e os pais.

    As sessões de FBT têm duração média de 6 até 12 meses e inclui não apenas o paciente, mas também pais, cuidadores, irmãos e qualquer pessoa que conviva com o ele dentro de casa. Essa modalidade de tratamento tem um distanciamento da visão tradicional das terapias familiares - que comumente atribuem a psicopatologia dos transtornos alimentares como um problema de emaranhamento ou disfunção familiar. A FBT tem uma visão agnóstica dos transtornos alimentares, isso significa que os profissionais treinados não ficam analisando excessivamente como a psicopatologia alimentar se desenvolveu. O foco é construir um vínculo poderoso entre pais e filhos, sendo os familiares convidados a se unirem à parte saudável da criança/adolescente contra o transtorno alimentar que ameaça “levar seu filho embora.”

Na parte 2 deste texto falaremos sobre os desafios e possíveis soluções para os clínicos oferecerem FBT via telessaúde.

Revisão técnica: Fellipe Augusto de Lima Souza – CRP: 06/138263

Referência bibliográfica: Matheson, B. E., Bohon, C., & Lock, J. (2020). Family‐based treatment via videoconference: Clinical recommendations for treatment providers during COVID‐19 and beyond. International Journal of Eating Disorders.


Card image cap
  • Prof. Jenny Langley
  • Quarta 28 de Abril das 8h às 10h (horário de Brasília)
  • 8 aulas online ao vivo e com tradução simultânea
  • Vagas Limitadas

O novo Modelo Maudsley é uma modalidade de intervenção familiar destinada a pais, cuidadores e familiares de pessoas com transtornos alimentares graves. Pela primeira vez no Brasil, a Prof° Jenny Langley, em ensinará aos clínicos diversas estratégias de comunicação, manejo comportamental, habilidades de autocuidado e como instrumentalizar os familiares durante todo o percurso de tratamento.                                                                    


Card image cap
Resultados adversos na gravidez e pós parto e a associação com transtornos alimentares

Artigo baseado no texto Eating disorders are associated with adverse obstetric and perinatal outcomes: a systematic review publicado em 2021 no Brazilian Journal of Psychiatry

Card image cap
O corpo questiona e a mente julga: Desejos por comida em Transtornos Alimentares

Esse texto foi baseado no artigo The body asks and the mind judges: Food cravings in eating disorders publicado em Janeiro de 2020 na L’Encéphale - journal of general Psychiatry.

Card image cap
Transtornos Alimentares em pacientes pós cirurgia bariátrica: A cirurgia bariátrica está envolvida no desenvolvimento de transtornos após o procedimento?

Este texto foi baseado no artigo The Development of Feeding and Eating Disorders after Bariatric Surgery: A Systematic Review and Meta-Analysis publicado em 2021 na Revista Nutrients.